Retrospectivas de sucesso

Reuniões de retrospectiva possuem um grande potencial de fortalecer times, sem dúvidas, elas constroem profissionais melhores e auxiliam no processo de amadurecimento do ambiente.

Mas de fato, o que define o sucesso de uma retrospectiva?

Principais desafios

  • Pessoas não possuem o hábito de fornecer e receber feedback’s
  • As discussões tendem a carregar grande carga de emoções e ideologias pessoais
  • Manter a racionalidade e objetividade no processo de discussão dos pontos elencados pelos times
  • Zelar pelo envolvimento dos participantes
  • Garantir a eficácia da reunião

Recomendações

  • Conscientize sobre os benefícios das sessões de retrospectiva
  • Reforce a importância de valores como coragem, comprometimento e respeito
  • Deixe claro a agenda de trabalho
  • Separe os itens a serem discutidos por contextos e fomente a discussão por contexto
  • Mantenha o foco das discussões em assuntos de curto e médio prazo
  • Saia com uma lista de ações concretas a serem realizadas

Contextualização

Todo processo que se baseie ou se apoie na aprendizagem contínua, em especial os empíricos, necessitam de um ou mais pontos de inspeção para serem bem sucedidos. Isto porque, por melhor que seja a comunicação durante a execução dos trabalhos, dificilmente elas geram avaliação profunda e ações concretas que alavanquem melhorias.

Talvez o método que mais democratize este conceito dentro das organização é o PDCA com o passo Check.

A verdade que sessões periódicas de inspeção são um excelente ponto para alavancar a adaptação. Quando definidas, elas claramente removem conflitos e aceleram o aprendizado.

Os principais propósitos da retrospectiva são:

  • Avaliar relacionamentos, processos e ferramentas
  • Identificar e ordenar itens positivos e negativos
  • Elencar e priorizar melhorias
  • Criar um plano para que o time melhore seu trabalho
  • Atualizar convenções e acordos do time

No desenvolvimento de software

Quando falamos em desenvolvimento ágil de software, o manifesto que nos norteia é bem claro com o princípio: “Em intervalos regulares, o time reflete em como ficar mais efetivo, então, se ajustam e otimizam seu comportamento de acordo“.

Independente do framework ou método de desenvolvimento que utilize, se você pensa em ser ágil, deve obrigatoriamente adicionar em seu processo momentos que fomentem o aprendizado.

No Scrum, a Retrospectiva da Sprint é uma oportunidade para que o Time Scrum inspecione a si mesmo e crie um plano para melhorias a serem aplicadas na próxima Sprint. É o último ato de uma Sprint e se encaixa neste momento para que proporcione uma análise holística da iteração. Destaco o Time Scrum pois em inúmeras vezes percebi a cerimônia de retrospectiva se tornar um momento único do Time de Desenvolvimento.

Na prática

A condução prática de retrospectivas pode utilizar uma variedade de técnicas. E é bom que o faça, a rotina, devagar e sorrateiramente tende a destruir atos periódicos.

A técnica mais comum se utiliza da resposta de três perguntas simples, são elas:

  1. O que devemos parar de fazer?
  2. O que ocorreu bem e devemos continuar?
  3. O que podemos fazer melhor ou devemos iniciar?

Contudo, uma série de práticas podem ser encontradas, um bom repositório é o Fun Retrospectives.

Foi lá que conheci a Speed Car – Abysm, uma analogia que permite trabalhar tanto o passado quanto o futuro do time. A última reunião que conduzi com esta técnica gerou um bom resultado e ficou assim:

Encontre as melhores técnicas para cada situação, mantenha uma boa frequência e inove sempre que possível!

O que define o sucesso?

Independente da técnica que você utilize, uma boa retrospectiva deve resultar em:

  • Alinhamento entre os envolvidos
  • Confiança em relação aos pontos positivos do grupo
  • Consciência e comprometimento com as melhorias propostas
  • Percepção de progresso entre os envolvidos
  • Leveza nas relações

Referências